Inaugurado o Playcenter

No dia 27de julho de 1973 foi inaugurado parque de diversões mais tradicional do estado de São Paulo.
Sendo fundado com base nos parques das grandes cidades dos Estados Unidos e da Europa. Localizava-se em uma área de 85 mil m², o parque recebia em torno de 1,6 milhão de pessoas anualmente.

O parque funcionava durante os meses de baixa temporada (janeiro a junho) de quinta a domingo, sendo quintas e sextas aberto exclusivamente para escolas e excursões. Durante a alta temporada (julho a dezembro) o parque funcionava de terça a domingo.
O parque teve alguns de seus recordes batidos das atrações: Turbo Drop, Boomerang, Evolution, Waimea, Looping Star entre outros.

Além dos brinquedos, fizeram sucesso também apresentações como o Orca Show, uma de acrobacias de golfinhos e baleias em um tanque (1985 a 1986). As baleias Nandu (orca) (macho) e Samoa (orca) (fêmea) ficaram conhecidas por serem as primeiras baleias orcas utilizadas em shows no Brasil. Elas foram capturadas na Islandia e possivelmente eram irmãs.

No parque também havia o Show dos Ursos, em que "ursos" animatrônicos cantavam e dançavam. Em 1988, foi realizada a primeira edição das Noites do Terror, que se transformaria no evento mais rentável do parque a partir da década de 1990. O parque foi criado pelo empresário boliviano Marcelo Gutglas, inspirado nos grandes parques de diversões da Europa e dos Estados Unidos da década de 70. Com o passar dos anos, foram incorporadas à lista de atrações montanhas russas mais modernas.

Em 1997, a GP Participações, que detinha 50% das ações do empreendimento, assumiu o controle da empresa. Apesar da aposta, o setor de parques de diversões como um todo decepcionou investidores nos anos seguintes, principalmente por conta da forte desvalorização do Real em 1999. E o Playcenter estava no meio da crise. Em dezembro de 2001, o parque tinha uma dívida de 145,3 milhões de reais.

Em 19 de março de 2012 foi noticiado que o parque teria suas atividades encerradas a partir do dia 29 de julho do mesmo ano. Em julho de 2013, após uma reforma e adoção de modelo inédito no Brasil, baseado em parques como a Legolândia, o Grupo Playcenter inauguraria um novo empreendimento, afirmando que o novo parque seria voltado ao público infantil, com atrações temáticas, educacionais e interatividade. A quantidade de pessoas por dia será limitada de 12 para 4,5 mil pessoas por dia. Segundo o grupo, uma pesquisa feita em São Paulo apontou uma carência de espaços onde os pais possam brincar com seus filhos, que originou o novo conceito para o parque.
Mas, contrariando as expectativas, o parque não reabriu em Julho de 2013 e ainda no ano de 2014 podia se notar que o terreno estava cada vez mais abandonado e não havia sinal nenhum de obras no local. Ainda em 2017, não há sinal de que o parque antigo reabrirá.

Após muito tempo de espera, o parque Playcenter irá reabrir na cidade de Olímpia (interior de São Paulo) com um investimento previsto de 25 milhões de euros e capacidade de 50% do antigo parque na Marginal Tietê.
Estão planejando construir dois parques de diversões no Brasil, um na região sudeste, que foi escolhida a cidade de Olímpia e outro na região nordeste do país, ainda sem mais detalhes divulgados. Os diretores do Playcenter relataram ao prefeito o que nós já sabemos, todos os equipamentos dos parques de diversões são importados, não existem grandes fabricantes em nosso país e isso acaba acarretando em uma alta quantidade de impostos.

Para viabilizar o parque, toda a diretoria do Playcenter está trabalhando junto ao Ministério de Indústria e Comércio, o objetivo é conseguir um desconto na taxa de importação, justamente para entretenimento, conforme previsto na legislação Brasileira. Devido a isso, Marcelo Gutlas pela primeira vez foi visitar a cidade de Olímpia para prospectar área (Locais possíveis para a construção do parque), conhecer o Thermas do Laranjais, a cidade no geral e toda a estrutura futura que será instalada voltada para o turismo.

Comentários