Fokker 100 - Acidente TAM

No dia 31 de outubro de 1996, o vôo 402 da TAM que fazia a rota Rio - São Paulo, caiu 24 segundos após a decolagem do aeroporto de Congonhas em São Paulo.

O avião Fokker 100 de prefixo PT-MRK com noventa passageiros e seis tripulantes despencou sob as casas matando ainda mais três pessoas em solo.

O Fokker 100 colidiu primeiramente com um prédio de dois andares. Em seguida, a aeronave colidiu com um prédio de três andares, arrancou o telhado de um sobrado e mergulhou no asfalto.

No momento do resgate, os corpos que os bombeiros retiraram dos escombros fumegantes, estavam irreconhecíveis em sua maioria e o IML teve grande dificuldade na identificação, sendo que em quatro corpos foi necessário o uso do exame de DNA . Quase todos os passageiros apresentavam como causa principal da morte a quebra da coluna vertebral devido ao impacto a 300 km/h no solo e ao desprendimento das poltronas da fuselagem do avião.

Uma seqüência de falhas tida como rara provocou a perda de controle da aeronave que caiu no bairro do Jabaquara (Zona Sul), em outubro de 1996.

A primeira falha foi a abertura do reverso durante a decolagem. O mecanismo em forma de guarda-chuva existe para frear o avião no momento do pouso, mas, naquele dia, abriu na hora errada. A fabricante americana do reverso, a Northrop Grumman, previa que a chance de acionamento antes da hora era "extremamente remota", uma em 100 bilhões. A Northrop considerava ser desnecessário treinar as tripulações para lidar com um defeito tão raro.

O reversor da turbina direita provocou o recuo brusco da manete - haste que acelera ou reduz o motor da aeronave. Sinais sonoros e visuais que alertariam para o problema não se manifestaram na cabine de comando do avião, o que desencadeou uma correção errada.

Surpreso, o co-piloto avançou a manete, que voltou a recuar. A partir daí, o comando do avião passou a travar uma "batalha" com a manete, o que acabou por romper o cabo que liga as hastes às turbinas.

O piloto então perdeu o controle da aeronave, porque enquanto o motor esquerdo acelerava, o outro executava um movimento contrário, de desaceleração do avião causando a tragédia.

31/10/1996

Comentários