Campo de extermínio Treblinka

No dia 23 de julho de 1942, foi aberto o campo de exterminio de Treblinka.

Este que foi o 4º campo de extermínio aberto pelos alemães para exterminar, Ciganos, Homosexuais, Deficientes, Eslavos, Tetesmunhas de Jeová e principalmente os judeus.

As mortes aconteciam em câmaras de gás alimentadas por motores a explosão localizado nos arredores da cidade de Treblinka, na Polônia ocupada pelos alemães. Também foi o primeiro campo de mortealemão onde ocorreu a cremação dos cadáveres a fim de ocultar o número de pessoas mortas. Neste campo foi criado um sistema de trabalho (sonderkommando) onde os judeus eram incumbidos de receber os comboios que chegavam, conduzir os deportados para ascâmaras de gás, retirar os cadáveres, extrair os dentes de ouro, e proceder a cremação. Este campo foi dividido pelos alemães em dois campos menores, onde em um deles os prisioneiros somente se ocupavam do extermínio e recuperação de objetos, e um segundo campo onde os prisioneiros só se ocupavam da retirada dos cadáveres e cremação.

Para o funcionamento do campo, os prisioneiros foram divididos por os alemães em "castas" que se compunham de um "comandante" judeu do campo, que tinha como função coordenar o trabalho dos outros prisioneiros. Para isso ele contava com a assistência de outros prisioneiros chamados de "kapos" que comandavam pequenos grupos chamados de comandos, cada um com funções distintas, como por exemplo comando da limpeza, que tinha como função manter o campo limpo, comando de lenhadores que tinha como função desbastar os bosques que existiam em torno do campo e assim por diante.

Foi em Treblinka que ocorreu, em 1943, uma revolta dos prisioneiros onde sobreviveram aproximadamente 15 pessoas.

Treblinka era um dos argumentos preferidos dos que negavam o Holocausto.

Os depoimentos dos sobreviventes e os documentos falavam de um campo de extermínio a uma hora e meia da capital polonesa, Varsóvia, mas no ponto indicado só havia uma ladeira verde, uma granja e um bosque. Nada a ver com as barras e as duchas de Auschwitz. Nunca haviam sido encontradas evidências da maquinaria do morte que exterminou de 700.000 a 900.000 judeus e um número indeterminado de ciganos, Testemunha de Jeova e outras etnias.

Pois os alemães destruiram completamente Treblinka em 1943. Entretanto, escavações arqueológicas do campo de extermínio nazista de Treblinka revelaram valas comuns, bem como a primeira evidência física de que este local possuiu câmaras de gás, mostra também que os nazistas não eram tão bons em encobrir seus crimes quanto pensavam, foram encontradas paredes de tijolo e fundações das câmaras de gás permanecem, assim como grandes quantidades de osso humano.

De todas as atrocidades do Terceiro Reich de Hitler, Treblinka é uma das mais incompreensíveis. Historiadores estimam que cerca de 900.000 judeus foram assassinados neste campo de concentração e extermínio na Polônia, em apenas 16 meses.

Os nazistas começaram a deportar os judeus, a maioria dos guetos de Varsóvia e Radom, para Treblinka em julho de 1942. Havia dois campos. Treblinka I era um campo de trabalho forçado, onde os prisioneiros fabricavam cascalho para o esforço de guerra nazista. A 2 quilômetros de distância ficava Treblinka II, um campo de extermínio terrivelmente eficiente.

Judeus eram enviados a Treblinka II em trens, enganados de que estavam apenas fazendo um trânsito antes de serem enviados para uma nova vida na Europa Oriental. A decepção era elaborada: havia uma estação falsa no lugar remoto, incluindo um balcão de compra de bilhetes e relógio.

Os judeus deportados eram divididos em dois grupos, um de homens e outro de mulheres e crianças, e tinham que despir-se. Depois de entregar seus objetos de valor e documentos, as vítimas eram enviadas para as câmaras de gás. Dentro de 20 minutos, cerca de 5.000 pessoas eram mortas por envenenamento por monóxido de carbono.

Os cadáveres foram inicialmente enterrados em valas comuns, no entanto, mais tarde, em 1942 e 1943, trabalhadores escravos judeus foram forçados a reabrir as sepulturas e cremar os corpos em enormes fogueiras.

Infelizmente, como os nazistas destruíram os campos de extermínio de Treblinka em 1943, pouca evidência física deste genocídio permaneceu. O que se sabia sobre o lugar vinha de confissões e descrições de testemunhas oculares de poucos sobreviventes, sendo que a maioria nunca passou perto das câmaras de gás.

O campo ainda stá sendo pesquisado a mais evidencias das atrocidades ocorridas ali surge a cada dia.

Comentários